O MELHOR DO PSYTRANCE

VOCÊ ENCONTRA AQUI!

Respect Festival muda de local e mostra porquê é um Festival em referência de qualidade! [REVIEW]

O Respect Festival teve sua primeira edição fora do litoral depois de anos acontecendo no mesmo lugar. Nesta edição, o Respect Festival homenageou o Festival Woodstock, primeiro festival de música que reuniu cerca de meio milhão de pessoas em Nova York e completou 50 anos de existência neste ano.

Vale a pena lembrar que a Woodstock foi um evento que mostrou para o mundo a essência RIP da época onde PAZ e AMOR faziam parte da filosofia de vida deles. Mais tarde, PEACE e LOVE virou o que conhecemos como PLUR hoje em dia: PEACE, LOVE, UNION and RESPECT.

Respect mostrou que mesmo depois de 50 anos, eles conseguem unir essa filosofia de vida na criação de um Festival Multicultural de qualidade e a gente vai te contar novidades e tudo o que rolou por lá!

Reprodução: @elisarodriguesphotography

MUDANÇA DE LOCAL

A edição deste ano do Respect aconteceu na Fazenda Cachoeira, em Tapiraí, região metropolitana de Sorocaba, estado de São Paulo, um paraíso natural.

Antes de mais nada, vamos falar sobre uma dúvida que muitos tiveram: Por que a Respect 2019 não foi na praia?

Conversamos com os organizadores do evento referente à mudança de local para entendermos um pouquinho melhor, veja:

‘’A Respect não foi na praia devido a recuperação que a natureza precisa ter. Após 8 anos seguidos fazendo o festival, percebemos que a cada ano o espaço demorava mais para se recuperar. O clima de chuva também cada ano mais forte, inviabilizou nosso camping por duas edições seguidas. E por fim, este ano, o espaço foi devastado por uma forte tempestade que destelhou o quiosque e derrubou as árvores, apesar dos grandes prejuízos materiais ninguém se machucou.’’

Reprodução: @elisarodriguesphotography

Nós que frequentamos a cena psytrance devemos ter responsabilidade sócio-ambiental em todos os lugares. É claro que uma festa na praia acaba tendo resultados bons, porém, a natureza precisa de um descanso!

Cientificamente, está comprovado que a Terra faz atualizações em resposta ao Aquecimento Global como grandes tsunamis, furacões, terremoto e vários desastres naturais que vemos na televisão. Na praia estava acontecendo a mesma coisa, porém, em menor escala. Não apenas por conta das raves estarem acontecendo lá, mas talvez por diversos pontos de impacto ambiental onde o litoral precisasse de um tempo.

Por isso, a crew da Respect resolveu procurar uma nova casa!

O EVENTO

Existe uma diferença gritante entre raves e festivais. Já falamos quais são elas aqui na Hi BPM, confira a matéria sobre o tema clicando aqui. No Respect, pudemos observar melhor essas características e chegar há um consenso mais assertivo. Talvez essas características não se apliquem a tooodos os festivais, mas de fato, o Respect nos surpreendeu em vários pontos.

Reprodução: @elisarodriguesphotography

Talvez você não saiba, mas o Respect tem alguns selos de sustentabilidade que fazem este evento ser referência em vários aspectos. Reciclagem, utilização de materiais biodegradáveis nas construções, conscientização ambiental e segurança, são alguns deles.

Começando pela quantidade de pessoas, o evento assumiu um modelo como se fosse uma PVT: simples, com público limitado, porém com uma energia surreal! Por não estar tão cheio, o conforto e bem estar foram super positivos: pista não muito cheia, sempre limpa, bar sem grandes filas e espaço para todo mundo!

Reprodução: @elisarodriguesphotography

O Chill Out, sem dúvidas, foi uma das maiores surpresas para os ravers. Com aquela tenda maravilhosa e muita sombra, era o local perfeito para ficar hooras.

MAINFLOOR

Por mais que a distância entre as áreas fosse um pouco grande devido ao tamanho do sítio, nada impediu que a galera, até mesmo as pessoas com mobilidade reduzida chegassem ao topo da colina onde ficava o MainFloor.

Reprodução: @elisarodriguesphotography

O som estava espetacular, limpo e de qualidade. As caixas no chão nos permitia entrar em transe ao som de mais de 50 DJs que tocaram no palco principal. Um ponto interessante a se observar, foi a linearidade entre a passagem das vertentes durante as apresentações. A maioria dos DJs conseguiram manter uma vibe musical contínua mesmo com a troca de vertentes.

Reprodução: @elisarodriguesphotography

Na sexta-feira, primeiro dia oficial da festa, tivemos Technical Hitch que tocou na madrugada mais fria de todos os dias de rolê. E ainda Karlovic, Fábio Leal, Pragmatix e o mestre Rica Amaral que como sempre, dá aula de Psytrance ao vivo, não é mesmo?!

Reprodução: @elisarodriguesphotography

Na madrugada de sexta para sábado, tivemos Killatk tirando quem gosta de hightech da  barraca para ir à pista naquela madrugada fria. Pela manhã, Nevermind e Soulcast fizeram um esquenta e encheram a o MainFloor para que Vegas abrisse a Caixa Mágica!

Reprodução: @elisarodriguesphotography

CHILL OUT

Sem dúvidas este foi o melhor Chill Out que nós conhecemos em mais de um ano fazendo coberturas de eventos.

A começar pelo line up diversificado, que ia desde Brasilidades, Dub, Reggae, World Music, Groove, Psychedelic Rock, Forró e até músicas Xamânicas. A paisagem trazia realmente o que um chillas precisa: tranquilidade. O palco, feito em bioconstrução e garrafas PET pelo Jorge Paraguai, conversavam harmonicamente com a enorme tenda feita pelo Marcus Tukura, totalmente desenhada à mão.

Reprodução: @elisarodriguesphotography

O chillas foi usado para reunir as pessoas e também realizar as diversas oficinas oferecidas pelo evento.

Reprodução: @elisarodriguesphotography

NATUREZA

Um dos principais pontos que fizeram esta edição do Respect ser tão incrível, foi a localização.

Com uma vista incrivelmente linda, o Mainfloor no topo da colina a cerca de 920 metros de altitude em comparação com o nível do mar, nos dava uma visão panorâmica de toda uma Área de Proteção Ambiental. Para você ter ideia, a cidade de São Paulo está a 760 metros de altitude!

Reprodução: @elisarodriguesphotography

Nós realmente estávamos no alto! 160 metros acima da capital Paulista. E foi lá em cima que conseguimos nos conectar com a natureza através da música.

Reprodução: @elisarodriguesphotography

No Chill Out não foi diferente: uma ampla visão para plantações de eucalipto e árvores nativas, com diversos sons melódicos. Uma sincronia perfeita entre arte, música e natureza. Estávamos rodeados de árvores, com uma visão incrível do pôr do Sol.

Reprodução: @elisarodriguesphotography

Também tivemos acesso à cachoeiras, onde pudemos nos conectar ainda mais com a mãe natureza.

Reprodução: Respect Arte e Cultura

SEGURANÇA

Segurança é um ponto primordial que muitos eventos esquecem de investir, ou não dão total atenção pra esse assunto.

Nós, da Hi BPM, nunca vimos uma estrutura de segurança como vimos na Respect!

Por todos os lados, desde o camping, a pista e Praça de Alimentação, víamos extintores espalhados. Além disso, placas de rota de fuga e portões para saída de emergência foram colocados em pontos estratégicos. Nunca vimos portões como este. Na verdade, pensando por um lado estético, não há necessidade desses portões de aço, porém, com isso, pudemos verificar que o Respect fez tudo para que todos estivessem 100% seguros durante os 3 dias de festa!

Reprodução: @elisarodriguesphotography

Com certeza,essa edição do Respect Festival ficará marcada em nossas memórias.

RECOMENDADOS PARA VOCÊ

SIGA-NOS NO INSTAGRAM

QUER CONTEÚDO EXCLUSIVO? CADASTRE-SE NA HÏ BPM GOLD!

CONTATO

(11) 9 3455-5554 ADMINISTRATIVO

(11) 9 2001-9508 EDITORIAL

ONDE ESTAMOS

RUA VICENTE LEPORACE, CAMPO BELO, CEP: 04619-035 - SÃO PAULO - SP